Quebrar os códigos tradicionais da relojoaria

Quebrar os códigos tradicionais da relojoaria. Tudo começou em 2009. A Bell & Ross gosta de romper estilos e explorar de forma incansável novos mundos. Nesse mesmo ano, a marca teve um grande impacto com o lançamento do seu BR 01 SKULL, que ousou quebrar com os códigos tradicionais da relojoaria. 

Dos Vikings do primeiro milénio aos pára-quedistas da Segunda Guerra Mundial, incluindo os piratas dos séculos XVII e XVIII, o crânio sempre foi um símbolo de guerra muito proeminente. Historicamente, os grandes lutadores demonstraram a sua bravura usando caveiras para perturbar os seus adversários e para afastar o azar. 

Em geral, os relógios da família SKULL da Bell & Ross são bastante tradicionais. O novo BR 01 CYBER SKULL faz uma ruptura com este estilo. Vira uma página. O seu design vanguardista transporta para o futuro esta série icónica, mas também a marca Bell & Ross que como um todo, se lança em direcção a uma forma ultramoderna. O CYBER SKULL abre uma porta para o futuro.

A silhueta angular do BR 01 CYBER SKULL faz lembrar a de certos aviões de combate descritos como invisíveis. A sua caixa é modelada como a fuselagem de um avião caça F117. Para desaparecerem do radar e parecerem invisíveis, estes aviões estavam equipados com materiais que dificultavam o regresso da onda emitida pelo radar emissor, tornando estes aparelhos praticamente indetectáveis. Esta técnica é também utilizada nos navios militares mais sofisticados, a fim de ocultar a sua identidade tanto quanto possível. 

Por detrás do seu rosto provocador, simbólico e artístico, o BR 01 CYBER SKULL esconde os segredos de um relógio automático pertencente ao mundo da Alta Relojoaria. 

Apenas o perfeito domínio do funcionamento de um movimento mecânico poderia, na realidade, esconder o movimento BR-CAL 206 enrolado à mão sob a ornamentação facetada. Para o tornar invisível ao olho, a placa principal segue de perto a forma do crânio, enquanto as pontes se estendem até aos quatro cantos da caixa, escondidas pelas tíbias. Uma arquitectura como esta faz com que o crânio pareça flutuar dentro da caixa. Uma impressão que é destacada pela transparência total do mostrador, realçada apenas por 12 índices em forma de bastão. Apenas quando o relógio é virado, a chave para o mistério é revelada através da caixa em cristal de safira.

Para além da indicação das horas e dos minutos, o movimento automático activa a mandíbula que se abre e aparece a rastejar quando a mola é enrolada. Compondo o cérebro deste crânio – que finalmente ganhou vida -, a mola de equilíbrio revela as suas oscilações. O bater do mesmo, serve como um lembrete do coração mecânico do relógio.

Neste relógio, o crânio troca as suas curvas naturais por formas geométricas e angulares com o objectivo de provocar uma sensação. 

O seu estojo é inspirado no BR 01 original, mas os seus contornos foram revistos. Com arestas vivas que lhe conferem um aspecto ultracontemporâneo. O CYBER SKULL também joga com a luz e a transparência. Em alguns aspectos, é semelhante à arquitectura moderna. 

Vanguardista e esculpido, o BR 01 CYBER SKULL da Bell&Ross reinventa o estilo do relógio de caveira. Unificador, pode mobilizar amantes e especialistas em arte, da mesma forma que mobiliza coleccionadores de relógios. 

Este relógio ultramoderno empurra a marca de relojoaria para o futuro.