Buy Local or Bye Local

Buy Local or Bye Local

Não temos a pretensão de ser influenciador de massas, mas se pretensão houvesse seria para estes momentos que vivemos em Portugal. Temos pela frente, depois de meses de pandemia, duas semanas desafiantes, duras e, para alguns, decisivas do futuro. Não nos interessa o questionamento da validade das decisões tomadas, deixamos isso para os politólogos e economistas.

O que nos interessa falar e reflectir, para além de salvar vidas e poupar pessoas e entes queridos, é como podemos dar o nosso pequeno contributo para acompanhar o “calvário” dos pequenos e médios negócios locais e portugueses.

Portanto, aqui vão três dicas para darmos o nosso contributo:

1 – Buy Local or Bye Local, mesmo em pandemia, aproxima-se o Natal. Vamos todos em conjunto fazer um esforço para investir em presentes de pequenos e médios negócios locais e portugueses. Porque, comprar não é só gastar, mas investir. Um pensamento que parece não entrar na cabeça dos portugueses. Comprar não é somente um acto de consumo, é um acto de comércio, um dos motores da sociedade seja capitalista ou não. Se comprarmos pequeno e português, existe uma faixa do mercado de trabalho que se pode manter.

2- Procurar no seu bairro, entre os conhecidos e nas redes sociais, marcas nacionais. As redes sociais não servem somente para conhecimento da vida alheia ou um “lugar” seguro para rosnar e destilar divisão. São muitas as pequenas marcas portuguesas presentes nas várias redes sociais, por isso, procurar e perguntar para que encontrem. São muitas as marcas nacionais que já vendem online, com lojas e entregas a casa. Portanto, o desconhecimento das marcas não é desculpa.

3- Acabar com o mito de que as marcas portuguesas, os produtos pensados e confecionados neste país, são caros. Tudo depende da nossa bolsa, e do que procuramos. Quantas vezes já referimos neste site, que investir numa peça de valor, é uma aposta para o futuro e possibilidade de fugir do que se chama Fast Fashion. Que se consume hoje e amanhã vai para o lixo.

São três sugestões simples, e, até um pouco ingénuas, poderão alguns afirmar. Mas, como diria uma jornalista do Expresso, “Entre nós e as palavras, o nosso dever de falar”.

Photo de capa: Mister Man situada na Baixa de Lisboa.

Comércio local: