Coronavírus e as fake news: o que fazer?

É dever de todos os que participam na informação ao público, sejam site, blogue ou revista veicular os melhores conteúdos em relação a estas situações de saúde pública. Por isso, queremos partilhar estes dados. A partir de hoje, todos os conteúdos produzidos pela redação do Polígrafo sobre o coronavírus serão validados cientificamente pela Direção-Geral da Saúde, o organismo máximo de saúde pública em Portugal.

O Polígrafo e a Direção-Geral da Saúde decidiram aliar-se na luta contra a desinformação sobre a doença por novo coronavírus: a (Covid-19).

A parceria, que se efetiva a partir desta segunda-feira, 2 de março, consiste em identificar, avaliar e classificar a informação que vai sendo publicamente partilhada sobre um tema que é já um case study mundial em matéria de desinformação.

Graça Freitas, Diretora-Geral da Saúde, refere que a “publicação e partilha de informação falsa é um dos maiores riscos para a saúde pública, quando se trata de problemas emergentes como o da COVID-19. Esta parceria é um importante contributo para distinguir informação falsa da fidedigna”.

Por seu lado, Fernando Esteves, diretor do Polígrafo, sublinha que esta parceria – que não envolve quaisquer contrapartidas financeiras – “é um exemplo acabado dos princípios que estiveram na base da criação do jornal: a defesa da verdade, nomeadamente em cenários críticos de saúde pública, como é manifestamente o caso.”

A partir de hoje, o dia em que foram conhecidos os primeiros dois casos de infeção em Portugal, todos os fact-checks publicados pelo Polígrafo sobre este tema serão previamente sujeitos a uma validação científica por parte de um especialista designado pela Direção-Geral da Saúde.

A parceria engloba igualmente a produção, pelo Polígrafo, de material infográfico dedicado ao assunto, com o objetivo de explicar de forma simples um fenómeno sobre o qual ainda subsistem muitas dúvidas, até na comunidade científica. Toda a informação produzida no âmbito deste acordo pode ser livremente utilizada por qualquer outra publicação, desde que referida a fonte original.

Refira-se que a Direção-Geral da Saúde já tem uma página online exclusivamente dedicada ao tema (pode visitá-la aqui). Nela, o cidadão pode consultar, entre outras coisas, os mais recentes desenvolvimentos epidemiológicos ou inteirar-se sobre as melhores práticas para prevenir uma infeção.

Esta não é a única parceria que o Polígrafo estabeleceu a propósito da epidemia do coronavírus. A nível internacional, o Polígrafo participa no projeto de jornalismo colaborativo CoronaVirusFacts Alliance, em que dezenas de jornais de fact-checking provenientes de todo o mundo se uniram para verificar a veracidade das informações colocadas a circular online.

Como me proteger?

Nas áreas afetadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença:

  • Adotar medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o cotovelo, nunca com as mãos; deitar sempre o lenço de papel no lixo);
  • Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes;
  • Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória.

Acima de tudo calma e evitar histerismos. Recomendamos a visita ao site da DGS aqui