Quinta das Lágrimas recebe o 11º Festival das Artes

Promovido pela Fundação Inês de Castro, o Festival das Artes tem-se vindo a afirmar como um dos principais eventos culturais da região Centro.
Com base na música clássica, é um festival que congrega em si inúmeras formas de expressão artística, da música à pintura, passando pelo teatro, a dança, a literatura, o cinema, a gastronomia e as artes plásticas.
Com um “pano de fundo” único – os emblemáticos Jardins da Quinta das Lágrimas – o Anfiteatro ao ar livre Colina de Camões é o palco principal do Festival das Artes que se estende da Universidade de Coimbra ao Rio Mondego, abrangendo locais pela cidade e pela região.
Nesta 11.ª edição, o Festival das Artes tem como tema “Luz e Sombra”, apresentando sete ciclos com 28 eventos, de 19 a 28 de Julho, nas mais diversas áreas, da música à gastronomia, da dança às artes visuais. Grande parte desses eventos acontecem ao ar livre, no Anfiteatro Colina de Camões, da Quinta das Lágrimas.
Porém a abrir o Festival, está o concerto de abertura Amor e Paraíso, no dia 19 de julho, no Convento São Francisco, onde, em estreia mundial em língua portuguesa, a soprano Susana Gaspar vai seguir as pisadas de Sarah Bernhardt e declamar poemas de Paul Armand Silvestre, numa peça composta por Isaac Albéniz para esse propósito. Sob direcção musical de Bruno Borralhinho, o Ensemble Mediterrain vai ainda apresentar a Sinfonia nº. 4 em Sol Maior de Mahler, numa versão para ensemble instrumental e soprano de Erwin Stein (c. 52′). Duas peças que traçam o caminho da sombra da complexidade à luminosidade da ascenção ao que é mais elevado, ao paraíso.

Outra estreia mundial no Festival das Artes vai acontecer no dia 21 de Julho, no concerto Na Sombra da Cruz, da Camerata Atlântica. Sob a direcção de Ana Beatriz Manzanilha, o Concertino de Outono, Luz e Sombra, para oboé e cordas, de Sérgio Azevedo é o grande destaque do espectáculo, em estreia absoluta. Natural de Coimbra, Sérgio Azevedo é professor na Escola Superior de Música de Lisboa, tendo estudado com Fernando Lopes-Graça, Christopher Bochmann e Constança Capdeville  O Convento de São Francisco vai ainda reverberar, às 21h30, ao som de obras de Albinoni e da icónica peça do reportório de música sacra, a Stabat Mater, de Pergolesi.A 20 de Julho, celebra-se o centenário do nascimento de Jorge de Sena com a viagem literária, Jorge de Sena – Viagem Literária entre Coimbra e Figueira da Foz, que recorda a sua vida e obra (evento já esgotado).

A 23 de Julho a edição de 2019 estreia-se então nos jardins da Quinta das Lágrimas, com a celebração do centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andresen. Uma performance poética que liga a dança à poesia.É a 24 de Julho que o Anfiteatro Colina de Camões recebe a prestigiada Macao Youth Symphony Orchestra, composta integralmente por estudantes que vão do ensino primário ao universitário. Pedro Neves é o maestro convidado que vai dirigir, tanto a orquestra como a violinista internacional Nancy Zhou. A Luz do Oriente vai trazer-nos o Nocturno de António Fragoso; composições de Doming Lam; o concerto para violino Butterfly Lovers, de Chen Gang & He Zhanhao e a suite O Pássaro de Fogo, de Stravinsky.

Dia 25 de Julho, o anfiteatro enche-se novamente para ouvir os Alma Nuestra, a banda criada por dois amigos de longa data – Salvador Sobral e Victor Zamora – e que trazem sons da América Latina com roupagem jazz. Esta é uma parceria entre o Festival das Artes e o Quebrajazz.Dia 28 de Julho o Festival das Artes encerra a sua programação com o concerto O Brilho da Ópera, pela Orquestra Filarmónica Portuguesa. O concerto desta noite vai trazer a magia das grandes árias à noite de Coimbra. Com Osvaldo Ferreira na condução da orquestra, a soprano Cristiana Oliveira e o tenor Carlos Cardoso vão interpretar momentos icónicos da Tosca e Madame Butterfly, de Puccini ou a abertura de Tannhäuser, de Wagner, passando por tantos outros.