É uma cantina portuguesa, com certeza!

É uma cantina portuguesa, com certeza! Podíamos parafrasear a canção eternizada pela voz de Amália Rodrigues, para falar da cantina portuguesa Delfina. “Uma existência singela, É só amor, pão e vinho, E um caldo verde, verdinho, A fumegar na tijela” diz a música. E, de facto, o que encontrámos na Delfina, é uma simplicidade refinada no meio de tanta nova oferta gastronómica lisboeta. Encontrámos um espaço muito acolhedor, com cores pensadas na comodidade dos olhos e dos sentidos. É verdade que fomos ao jantar, quando tudo ganha outra cor e outro sentido.

Porém, nada disto ofusca o serviço acolhedor e simpático que tivemos. Está inserido e serve o hotel Alma Lusa situado na praça do município, num canto muito agradável da praça e recolhido o suficiente da balbúrdia da zona. O que difere este restaurante dos outros que temos em Lisboa? para além da centralizado geográfica e do bom serviço? Uma ementa generosa e pensada em todos aqueles que nos visitam.

Um menu que permite uma viagem simples pela nossa gastronomia, pela riqueza simples da nossa cozinha e pelas suas quantidades. Surpreendeu-nos, pela máxima positiva, voltar a encontrar dose generosas, dignas de uma cantina verdadeiramente portuguesa. O bacalhau à brás que experimentámos, quase saído da cozinha da avó, vinha com uma dose muito generosa. E, fazendo algo, que não é de bom tom, podemos observar que os pratos vizinhos não eram menos generosos. A refeição foi regada a um bom papa-figos, que é sempre uma boa escolha.

As entradas variaram entre umas gyosas (toque internacional da carta) e os nossos peixinhos da horta, confeccionados como se fazia em nossas casas. As sobremesas típicas da nossa mesa, leite de creme e mousse de chocolate primavam pela qualidade e sabor.

Em suma, um local a visitar em plena baixa pombalina e que nos oferece pratos simples, honestos e deliciosos.

Delfina – cantina portuguesa

PRAÇA DO MUNÍCIPIO, 21, 1100-365

+351 212 697 445