Mas quando chega o Inverno? Nem todos querem

Mas quando chega o Inverno? daqui a pouco? As instalações cruas da Università Bocconi foram invadidas pela neve na qual modelos deixavam pegadas e escreviam caminhos à medida que desfilavam. Este é o cenário envolvente que define a SNOW, uma coleção de fotografias de paisagens gélidas, criado pelo artista Thomas Flechtner, que tem estado ativamente envolvido na criação do espaço do desfile, que transparece uma envolvência tridimensional da eterna dicotomia Homem vs Natureza.

Sartori continua a aperfeiçoar o caminho que traçou para a Ermenegildo Zegna desde que tomou o comando da área criativa, criando um guarda-roupa modular que funde eximiamente elementos desportivos e de alfaiataria, mantendo a Zegna Couture, definida pela constante busca de excelência, refletida como um quadro perfeito. A silhueta é simultaneamente forte e suave. Decotes geométricos definem a parte superior do corpo.

A sensação de precisão natural é captada na nova construção ‘one 1/2 breasted’: casacos e blusões apertam a direito ou trespassado. As linhas tradicionais são misturadas e reestruturadas. O tecido duvet ganha a forma de anorak de lã, camisolas de malha passam a surgir como vestuário exterior, enquanto o matching de blusões e calças passa a substituir o fato. Bolsos são desenhados diretamente e de forma meticulosa, no tecido: uma expressão de pragmatismo virtuoso transparecido pelo tecido jacquard.

As gravatas surgem inesperadamente, usadas como lenços de duplo nó. Toda a coleção é marcada pelas calças que apertam de forma ajustável conferindo praticidade às mesmas, permitindo destacar as robustas botas de montanha.

Os tecidos são refinados e maleáveis: jacquard de caxemira, mohair compacto, alpaca escovada, lã bombazine. Pela primeira vez, até mesmo os tons mais brilhantes estão presentes no novo Oasi Cashmere, que representa um inovador processo de tingimento sustentável desenvolvido exclusivamente por Lanificio Zegna, onde as cores são obtidas apenas a partir de elementos naturais como flores, ervas, madeira, folhas e raízes, refletindo os princípios e valores do Oasi Zegna.

Também a palete de cores é inspirada no ambiente do Oasis: uma mistura de tons neutros da flor europeia edelweiss branca, cores cinza e bege, detalhes da mais fina fibra de vicuña, vermelho bulbo, pinheiro verde, traços de açafrão roxo, amarelo castanho e, ainda o laranja da flor azaleia.

Dando continuidade à morfologia das categorias “XXX”, Ermenegildo Zegna continua a utilizar o tecido jacquard na sua coleção ou como logótipo em roupas e acessórios como bolsas de couro, mochilas e sapatos técnicos, enquanto PELLE TESSUTATM – o couro exclusivo de Zegna – está pela primeira vez presente em pastas e malas.

“Estamos focados em expandir o uso de técnicas tradicionais, criando formas híbridas que se adequam a novos usos, adaptando o artesanato tradicional às funções contemporâneas”, afirma o Director Artístico da marca Ermenegildo Zegna, Alessandro Sartori. “Trabalhamos em torno de neologismos sartoriais, sendo que esta temporada surge um novo neologismo que apelidei de: Snowriting. O lado formal emerge no informal num cenário sublime de neve”.