Uma vida em livros ao nosso alcance

Uma vida em livros é o que vamos encontrar nos 350 lotes que estarão a venda na primeira parte da excelente Biblioteca do Prof. José Hermano Saraiva. O leilão, que está já a suscitar bastante interesse junto dos clientes do Palácio do Correio Velho, decorrerá online entre as 10h de dia 10 e as 22h de dia 17 do corrente mês.
De referir, que em Março deste ano, foi a praça a colecção de arte do conhecido apresentador, tendo sido um sucesso junto do público.

Conhecido do grande público por apresentar a história em programas televisivos, nasceu em 1920 e assumiu-se como uma  das figura mais importantes da intelectualidade portuguesa. Fez brilhantes estudos liceais, formando -se com distinção em Ciências Histórico – Filosóficas na Faculdade de Letras, em 1941, e em Direito (Ciências Jurídicas) na Faculdade de Direito, em 1946.
Foi vereador da Câmara Municipal de Lisboa para a Cultura, deputado à Assembleia Nacional, procurador à Câmara Corporativa (1965-1973) e Ministro da Educação, nos anos de 1968 a 1970. Durante o seu ministério, enfrentou um dos momentos mais conturbados da oposição ao Salazarismo, com a crise académica de 1969.  Exerceu também o cargo de Embaixador de Portugal no Brasil até  25 de Abril de 1974.
Com o advento do regime democrático, o Prof. José Hermano Saraiva tornou -se uma  figura muitíssimo conhecida e apreciada no nosso país, assim como junto das comunidades portuguesas no estrangeiro, pelos seus numerosos programas televisivos  sobre História de Portugal, retomando uma ligação que iniciara com a R.T.P. uns anos antes, em 1971, e onde deu sempre mostras da sua notável simpatia e fantástica capacidade de comunicação, prendendo os telespectadores às suas animadas e sapientes prelecções.

Foi ainda membro da Academia das Ciências de Lisboa, da Academia Portuguesa de História e da Academia da Marinha. Destaque também para o facto de curiosamente ter sido classificado em 26º lugar entre os «Cem Grandes Portugueses», num concurso realizado pela RTP 1.
Morreu em 2012, com 92 anos de idade, na sua Quinta de Palmela onde residia, tendo sido homenageado posteriormente com um voto de pesar e um minuto de silêncio pela Assembleia da República.

A par do que fica dito, foi um também grande coleccionador de Arte e de Livros antigos, tendo reunido uma colecção eclética, composta por peças arqueológicas, esculturas, talha e pinturas de cariz religioso, sobretudo dos séculos XVI e XVII, colecção essa que foi leiloada pelo Palácio do Correio -Velho, com um enorme sucesso de público e de vendas, em Março deste presente ano.

Segue-se agora o leilão de cerca de 350 lotes de livros da sua biblioteca. Os livros falam por si. É esta fundamentalmente a biblioteca de um grande intelectual e reúne na sua generalidade, livros de arte, literatura clássica, religião, Lisboa, história e leis, crónicas, Índia portuguesa, filosofia, e dos quais destacamos as seguintes importantes e raras obras: De Luys Pereyra. A Elegiada. Manoel de Lyra, 1588 ; De Plínio, a Historia Natural, Madrid, 1629.; De Damião de Goes, a Chronica de El -Rei D. Manuel, Lisboa, 1749. ; De Fonseca, Évora Gloriosa, Roma, 1728,; De D.Rodrigo da Cunha ,O Catálogo dos Bispos do Porto, Porto, 1623.; Constituiçõens Sinodaes do Bispado de Braga, Lisboa, 1697; Manuscrito – Regimento Interno da Maçonaria. 1849 ; De Alão. Antiguidade da Sagrada Imagem de Nª Srª de Nazareth. ; De Perpiniani. De Vita et Moribus, Coloniae Agrippinae, 1609.; Uma rara Miscelânea sobre a Restauração.; De Nicolau de Santa Maria, a Cronica dos Cónegos REgrantes de Santo Agostinho. Lisboa, 1668.; De Petrarca, os Sonetti et Canzione. Milano, 1512.; De Fr. Bernardo de Brito, A Monarquia Lusitana, Lisboa, 1632 – 1690.; De Frei Gaspar Fructuoso, As Saudades da Terra, Funchal, 1873.