Uma nova criatura em Lisboa

Existe uma nova criatura em Lisboa! Fomos convidados para ir conhecer e provar as iguarias que nos estão reservadas no novo espaço gastronómico do Verride Palácio Santa Catarina. Desde o primeiro momento, o serviço foi o seu expoente. Num local totalmente rememorado respeitando a beleza do palácio e da sua actual linha, o restaurante apresenta-se como uma experiência onde o paladar se junta ao cuidado.

As entradas, de facto, fazem o ponto máximo da casa, que dentro do tradicional português fazem que a refeição seja um misto entre actualidade e tradição.

A carta é assinada pelo chef executivo Bruno Carvalho. O Criatura – numa alusão ao Adamastor, o gigante da mitologia greco-romana que n’Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões, representa as tormentas que ocorrem onde o Atlântico e o Índico confluem, o Cabo que se tornou da Boa Esperança numa ode ao feito heróico dos navegadores – oferece uma carta com pratos tradicionais que se apresentam de forma contemporânea, dos pipis à moda de Lisboa ao pica pau de novilho, do “nosso” polvo à lagareiro à posta mirandesa com batata frita e grelos.

Este pretende ser um lugar de convívio, seja para um almoço de trabalho, um jantar informal, uma refeição a qualquer hora do dia ou apenas para petiscar e beber um copo de vinho sem o compromisso de uma refeição completa. A lista de entradas é generosa nos petiscos para que se possam degustar diferentes pratos – tábua de queijos ou de enchidos, croquetes de leitão ou camarão com malagueta e alho –, e juntar-lhe uma salada de lentilhas com requeijão e citrinos ou a tempura de caranguejo de casca mole com wakami e pepino.

O restaurante tem um menu executivo de almoço, que muda mensalmente, com pratos fixos a cada dia da semana. Inclui entrada, prato principal, sobremesa e um copo de vinho ou água, por 15€ (preço promocional até Abril). Durante o mês de Março: arroz de cabidela (terça-feira), bacalhau espiritual (quarta- feira), feijoada (quinta-feira), cozido à portuguesa (sexta-feira). Há ainda duas opções de grelha, peixe ou carne, que mudam diariamente consoante a oferta do mercado.

A dar vida ao espaço, as fotografias a preto e branco, em grande formato, da colecção Portrait, do britânico Bridget Jones, que integram a colecção privada de Joe Berardo. Aos rostos famosos dos actores Sir Anthony Hopkins ou Kevin Spacey juntam-se muitos anónimos captados pela lente do fotógrafo que integrou uma das exposições de abertura da Colecção do Museu Berardo, de arte moderna e contemporânea, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Aberto de terça-feira a sábado, entre as 12h00 e as 00h, ininterruptamente, o restaurante Criatura tem capacidade para 60 pessoas na sala principal, 20 na sala junto ao bar, 20 na mezzanine e conta ainda com uma esplanada.

O Verride Palácio Santa Catarina é um boutique hotel com 19 quartos, dos quais duas suites, designadas do Rei e da Rainha, onde se destacam os elementos arquitectónicos introduzidos pelo Conde de Verride. João Lobo de Santiago Gouveia (Figueira da Foz, 1859 – Lisboa, 1921) por ordem do Rei D. Carlos I, recebeu o título de Conde de Verride, em 1901. Este foi um dos moradores mais marcantes do Palácio, entre 1910 e 1921.

O edifício chega aos nossos dias com os actuais proprietários, Kees Eijrond e Naushad Kanji, e pelo TLC – The Lisbon Club, um grupo de amigos, de diferentes nacionalidades e backgrounds, para consolidar o projecto.

Para além do restaurante Criatura, no piso inferior, o hotel conta com o gastro-bar Suba, no topo do edifício, e um rooftop com uma vista de 360o sobre Lisboa.