Turismo em Portugal, Agora

Quem pode negar o renascer que todos testemunhamos da actividade turística em Pottugal? o crescimento do interesse por Lisboa e pelo Porto? As constantes referências da Capital em publicações de renome internacional como a Monocle ou Wallpaper. Neste contexto saído de uma crise mundial, na procura de Portugal de novos alentos para a recuperação económica e social, quisemos perguntar a Rui Vasconcelos, Founder and CEO da FWDHotels, o seu entendimento de como o turismo pode ajudar ao crescimento da sociedade portuguesa e na integração das várias forças no mercado de trabalho.

– 2017, um ano de viragem no serviço de turismo e hoteleiro em Portugal?

Um ano de viragem não, mas sim um ano em que o turismo vai continuar a crescer em Portugal e no qual algumas das tendências que se verificaram em 2015/16 vão ter cada vez maior importância.

A última grande viragem ou disrupção deu-se com a diversificação das formas de procura (airbnb, hotel tonight, etc) e com a proliferação de agentes de animação turística, o que nos abriu as portas a novos tipos de turismo.

Caber-nos-á em 2017 aproveitar estas novas oportunidades de forma equilibrada e sustentável.

  • Como recuperar profissionais que no período da crise ficaram sem trabalho?

O turismo é uma industria que, embora pese alguma sazonalidade, tem constantes necessidades de mão de obra, necessidades estas que se evidenciam gradualmente com a abertura de novas unidades hoteleiras e a crescente oferta de atividades de animação turística.

Esta é uma janela de oportunidade que deve ser aproveitada tanto por quem ficou sem trabalho no período da crise como por outras pessoas que pelas mais diferentes razões se vêm excluídas do mercado de trabalho,

Estas pessoas deverão ter acesso a formação que as prepare para uma carreira numa área que as pode receber e é precisamente neste processo que a FWDhotels as pode ajudar.

A FWDHotels é uma startup que oferece um serviço inovador e diferenciado no mercado Corporate e de Shortbreaks, e como parte da sua missão ajuda pessoas que enfrentaram dificuldades que não puderam superar, desde desempregados de longa duração aos sem-abrigo, a estabelecer um caminho que as prepara para o retorno à vida activa, dando aos candidatos uma formação inicial e uma monitorização contínua, focando-se no comportamento, a fim de os preparar para novas carreiras de sucesso no sector hoteleiro.

– O Turismo é uma força empregadora em Portugal?

Sem dúvida! Como referi anteriormente o turismo tem uma necessidade constante e crescente de mão-de-obra e temos exemplos muito atuais disso mesmo: Estão neste momento ou estiveram nos últimos dias em curso ações do Grupo NAU, do Grupo Hotéis Real e do Pine Cliffs (só para citar alguns exemplos) onde em cada uma das quais se pretende recrutar centenas de colaboradores.

Estas ações são uma excelente amostra da força empregadora que é o turismo em Portugal.