Gentlemen’s Talks – Luís Buchinho

Falar de moda no masculino em Portugal, é falar de Luis Buchinho. Presença assídua nas edições da ModaLisboa desde 1991, no Portugal Fashion desde 1996 e na semana de Moda de Paris desde 2009. O percurso da marca é pautado pela evolução do criador enquanto designer.
Fomos falar sobre a sua carreira e a moda em Portugal, como alguém que tem experiência em fazer crescer uma marca; viu a sua marca a ser comercializada em 1992.
Em 2007, abriu a sua primeira loja na Rua José Falcão 122, Porto, e a segunda em 2012, na Esplanada do Castelo, também no Porto.
Ao longo de sua carreira como designer, Luís Buchinho foi homenageado com o prémio de Melhor Colecção Feminina atribuído pela associação ModaLisboa em 1999, em 2010 foi distinguido com o prémio de Melhor Designer de Moda – (Fashion TV) e em 2012 recebeu o Globo de Ouro para Melhor Designer de Moda.
Luis Buchinho ensina Design de Moda desde 2006 no Centro de Formação Profissional (CITEX), actualmente denominado Modatex.

1. O que faz um homem ser elegante? Não ter a vaidade presente, nem excesso de peso

2. Quais são as peças imprescindíveis no teu guarda-roupa?Camisas de algodão em azul claro, t-shirt branca, jeans escuros sem lavagens irritantes nem rasgões, blazer justo preto e uns botins em pele preta

3. Tens role models na elegância masculina? Figuras que te inspirem? Sempre adorei a imagem do meu pai, discreto e enigmático. Em termos de figuras públicas , nem por isso. Nunca fui muito de seguir /admirar pessoas que não conheço pessoalmente. Em termos gerais, gosto do universo rock/rockabilly dos anos 50/60.

4. Muitas vezes, seja na ModaLIsboa seja no Portugal Fashion, apresentaste colecções de homem. São mais desafiantes que as de senhora? Para mim, em termos técnicos são mais difíceis por não ter fornecedores neste campo. A nível de concepção acho que até é mais fácil, pois estou a desenhar para mim próprio, e consigo avaliar de imediato se gosto ou não das peças. Faço o filtro muito mais rapidamente. só acho que a dificuldade está em projectar uma imagem “fashion” em propostas que são na verdade muito básicas (como eu gosto), e de uma maneira geral acho os desfiles de homem mais aborrecidos. gosto mais de ver em showroom.

5- Tens uma carreira cheia de reconhecimento, como vês a evolução dela e quais são os teus planos futuros? O meu plano futuro é sempre a próxima colecção, não só na sua apresentação em desfile mas como, onde e a quem vai ser vendida. Quero também evoluir mais a nível internacional, ter uma marca mais conhecida e presente em mais pontos de venda espalhados pelo globo.

6 – És conhecido pelo bom trabalho como designer de malhas, achas que é algo que faz parte da nosso DNA português?
Do DNA português, não, de todo! Há muito poucas propostas dentro deste campo.acho que até é um pouco menosprezado. Esta faceta do meu trabalho deve-se á minha experiência profissional de 19 anos na Jotex, onde desempenhei o cargo de director criativo. Foram uns anos incríveis, onde aprendi a trabalhar com cor de uma forma única, e pude trabalhar tricotados de um modo próximo de propostas de atelier- quase uma Alta Costura em malha!