Facas de Chef para todos nós

Nunca se sabe como nascem as boas ideias mas esta é resultado entre as experiências de vida de um chef e de um homem de eventos; e, assim, nasceu o conceito de criar uma faca contemporânea baseada nas mais ancestrais navalhas portuguesas.

Para contextualizar, o chef Nuno Mendes é, como se sabe, um dos maiores embaixadores da gastronomia portuguesa no estrangeiro. Em Londres, chefia a cozinha do fenómeno Chiltern FireHouse – depois da jornada no Viajante, restaurante onde ganhou uma estrela Michelin e que o colocou nas bocas do mundo – e é proprietário da Taberna do Mercado, também em Londres. Paulo Amado é organizador de eventos de gastronomia, editor e agitador do meio há quase 20 anos. É director das Edições do Gosto, responsável por eventos como o Chefe Cozinheiro do Ano e revistas de gastronomia como a Comer e a Inter. A amizade e o meio onde se movem levaram-nos a este projecto de renovação da cutelaria tradicional, criando uma marca que quer espalhar-se pelo mundo, mas que tem por base a conciliação do sonho dos dois amigos com a capacidade dos artesões da cutelaria portuguesa tradicional. O nome Rocks, o logótipo e a assinatura Since the Beginning, é uma alusão óbvia ao primeiro objecto cortante, o sílex.

Para materializar a ideia e cumprir a qualidade, convidaram o cuteleiro Carlos Norte, filho de uma geração de mestres da cutelaria nacional, para o projeto. A tipologia de facas Rocks Knives atravessa três fases: a transformação da navalha portuguesa em faca de mesa. Caneças, Bandido e Capa Grilos são canivetes transformados em facas adaptadas à restau- ração. Além destas há ainda uma face indicada para queijos. A segunda fase é a faca de chef, pensada para se adaptar às necessidades ergonómicas de um chef. Já ganhou forma e foram criados alguns exemplares, mas ainda vai sofrer alterações. A última geração de facas, que ainda se encontra sob o segredo dos deuses, prevê cortar com todas concepções a nível mundial.

No que toca a materiais utilizados, convém saber que as facas de mesa têm lâmina em aço inox sandevic e as facas de chef são em aço damasco. Já os cabos variam entre madeira de oliveira ibérica estabilizada, madeira de ébano angolano com 30 anos de secagem, madeira de pau violeta ou kingwood; acrílico transparente vazado com tela de cortiça e chifre bovino.

A especificidade dos materiais exige cuidados: as facas com cabos em madeiras e chifre não devem ser lavados na máquina. O latão vai escurecendo com o tempo, mas renova-se facilmente com qualquer limpa metais. O cabos em madeira devem ser esfregados regularmente com um óleo natural ou cera, para manter o seu isolamento à humidade. Óleo de camélia é o produto mais aconselhável.

Actualmente as facas de mesa estão ao serviço no restaurante de Nuno Mendes em Londres, onde estão também à venda. Em Portugal é possível comprá-las online no site rocks-knives.com e brevemente em lojas físicas a revelar. Os preços podem ainda sofrer alterações, mas as facas de mesa, em média, custam 40€.