Um estilo, elegância descontraída

Herdeiros do património da Lacoste, os aerodinâmicos equipamentos criados no final da década de 60 para a equipa de esqui francesa já exibiam modernidade e alta tecnologia.

E agora inspiram a colecção de outono-inverno 2016/17 que parece ter sido directamente projectada pelo universo retro futurista e a tranquilidade elegante de uma estação de esqui.

As propostas surgem com um grafismo dinâmico. Tiras de reforço anatómicas e os slogans publicitários originais da década de 70: “100% Croco”, “Crocodile” e “Crocodelle” protagonizam as sweaters.

Os jogos de computador dos anos 80 inspiram bordados de pinheiros e esquiadores pixelizados que atravessam vestidos em formato poncho ou fatos de treino.

O calor dos bosques é convocado pelo falso efeito gráfico de um padrão a imitar madeira ou pela decoração da passerelle, numa visão futurista de uma cabana inspirada na poesia dos irmãos Bouroullec.

Para a frente e para trás entre os códigos da marca mas habilmente escondendo qualquer pista, Felipe Oliveira Baptista reinventa o estilo LACOSTE

A vibração do “Chalet” digna de um filme de James Bond: leggings em jersey de veludo e saias longas são combinadas com derbies masculinos. O filme de culto “Belle de Jour” é referenciado através da feminilidade de um conjunto de pólo e saia evasé em PVC laranja, com longas botas de couro e salto em madeira. À medida que o termómetro desce, as delicadas silhuetas são envolvidas por casacos e blusões de volumes generosos que relembram astronautas ou fardas de trabalho

As tonalidades neutras do aço, terra e madeira são interrompidas por toques de rosa, vermelho, amarelo mostarda e laranja.

A mistura de materiais é explosiva e revigorante, à imagem dos emblemas de vinil em casacos de pêlo de carneiro. O brilho do veludo e do nylon destacam a rusticidade do feltro de lã virgem.

Tal como Martino Gamper, que destrói em performances ao vivo os móveis de Gio Ponti para reinventar novas peças a partir dos destroços, Felipe Oliveira Baptista, como num jogo de desconstrução/construção, cria a cada estação vestuário funcional, confortável e modular.

As peças vestem-se e despem-se de imediato, como uma saia em veludo acolchoado de cintura elástica. Os acessórios são híbridos e integrados. Luvas surgem dentro das mangas dos casacos e um capuz dissimula–se nas dobras de uma écharpe.

O vestuário torna-se um abrigo, quase visto como um casulo. Os casacos são acolchoados como um edredon onde nos enroscamos: as saias são tendas que se abrem e fecham com liberdade.

As peças podem ser vestidas de duas ou três formas. Fechos colocados em ângulos de 90 graus dão aos blusões e casacos de carneiro a possibilidade de se dividirem em dois.

Felipe Oliveira Baptista nunca deixa de transformar o ADN desportivo da Lacoste em urbanidade e vice-versa. E enquanto o design introduz um ímpeto vital e uma luminosidade, é o tema do esqui que integra o guarda-roupa com calor e conforto, impregnando a colecção de um inconformismo elegante. Assim é a vida contemporânea segundo a LACOSTE.