Renault Twingo 
”Um Golias na Cidade”

Quem não se lembra do muito querido Renault Twingo?

Um carro que, de pequeno, só tinha o tamanho. Era grande e espaçoso por dentro, pelo menos para aquilo que parecia por fora. Dizia-se que, com os bancos rebatidos, podia deitar-se lá uma pessoa – ou mais, em alguns casos – tão parecido que ficava com uma cama.

Se os pais dessem aos filhos o nome do sítio onde foram feitos, haveriam muitas pessoas que se chamariam Twingo, e outras tantas cama, palheiro ou mesa da cozinha.

A nova geração do Twingo não deixa o seu legado por mãos alheias. Por fora continua a ser incrivelmente pequeno – para terem uma ideia, o raio de viragem é de 4.3 metros, com as rodas a virar a 45º – apesar de um pouco mais alto mas, por dentro, espaçoso o suficiente para o dia-a-dia. A Renault afirma que este carro é, todo ele, agilidade e tem toda a razão. A direcção é fantástica em cidade e consegue desviar-se rapidamente dos peões e, também, dos obstáculos. Aliás, a direcção é tão boa que sugiro que se candidate à liderança do CDS-PP. Fará um trabalho melhor que tudo aquilo que já vi.

A versão que ensaiei era a 1.0 turbo de 90 cavalos com caixa EDC automática de seis velocidades. Que foguete! Anda que se farta e, apesar do pequeno motor turbo, responde muto bem. O carro parece que foi desenhado pelo filho de algum engenheiro da Renault e isso é uma coisa boa. A criatividade das linhas junta-se à modernização do modelo, sem esquecer a diversão para quem o vê. Parece quase um cartoon. O motor, desta vez, ficou no eixo traseiro, o que torna as acelerações mais fortes engraçadas, porque parece que estamos a conduzir ao contrário quando ouvimos o som do motor a vir lá de trás.

Para quem o vê, deve causar ainda mais estranheza, pois o carro não parece ter nem frente nem retaguarda. Toda esta construção permite ao carro ser, provavelmente, o mais ágil de sempre. E isto tudo com 4 lugares e 5 portas! Um contorcionista urbano, pode dizer-se. Coisa que se dobre tanto pelos meandros da cidade, só mesmo um carocho a pedir uma “moedinha p’ró cavalo”. Este é daqueles carros do tipo “fica já aqui”, sendo “aqui” o armário ao lado da secretária.

O carro perfeito para aquelas pessoas que querem parar tão perto da entrada de casa que para eles a palavra “jardim” significa “estacionamento”.