Jóias com as linhas de Niemeyer

Fazemos referência a esta colecção, talvez, devido à admiração pela inspiração da mesma. Embora sejam peças femininas, é maior a vontade de referir a relação com o génio inspirador. Fomos conhecer esta colecção no espaço redecorado da Machado Joalheiros no Tivoli Forúm pela mão de Fernanda Lamelas.

“Ah, como é mágico ver surgir na folha branca de papel um palácio, um museu, uma bela figura de mulher! Como as desejo e gosto de desenhá-las! Como as sinto nas curvas da minha arquitectura!”

Oscar Niemeyer (1907 – 2012).

Para a equipa de criação H.Stern, mágico é ver a beleza das curvas
eternizada nos projectos de arquitectura de Oscar Niemeyer – cuja obra inclui Brasília, e muitos outros prédios icônicos como a sede das ONU em Nova York, uma colaboração com o francês Le Corbusier. Esta paixão compartilhada pelas linhas sinuosas traça os contornos de uma parceria criativa que se iniciou em 2008, quando o arquitecto contava 100 anos de vida e a joalheria lançava a primeira colecção inspirada em seus desenhos.

Agora ganha continuidade nas linhas infinitas da vida, através de joias memoráveis. As novas criações haviam sido idealizadas, a partir de desenhos de Niemeyer e aprovadas pelo próprio, em seu derradeiro ano de vida. As novas jóias seguem a linha de inspiração da primeira versão: os traços únicos, simples e naturais do arquitecto que foi, antes de mais nada, um exímio desenhista. Contornos sinuosos, linhas leves e contínuas que parecem levar ao infinito podem ser vistos em uma nova selecção de anéis, brincos, pendentes e pulseiras. O minimalismo e a leveza, moldados em ouro amarelo ou ouro branco com diamantes, são características comuns aos diversos desenhos, todos com a assinatura inestimável de Niemeyer.

Uma prova de que sua obra segue viva, como os caminhos infinitos
traçados por ele.

COPAN – Esta linha de joias reverencia um dos ícones da poesia concreta da capital paulista – cantada por Caetano Veloso na música
Sampa – e projectada por Niemeyer no lendário edifício Copan, que
paira como uma onda no horizonte da metrópole desde a década de
50, contrastando com os ângulos retos predominantes na arquitectura local. Foi este desenho ondulado e marcante que deu origem às joias Copan, que está ganhando um novo anel com ondas de ouro branco cravejadas de diamantes.

MONUMENTO – O Parque Ibirapuera foi inaugurado em São Paulo em 1954 para a comemoração dos 400 anos da cidade brasileira, com projecto arquitetônico de Niemeyer. O projecto do parque também contava com uma escultura, que viria a ser o Monumento do IV Centenário paulistano, mas poucos viram esta obra pronta. Há registros de que a peça chegou a ser construída para a inauguração do parque (há fotos da cerimônia histórica), mas pouco tempo depois ela teria desaparecido.
Não se sabe ao certo se foi destruída ou se alguém a teria levado.
Esta escultura desenhada por Niemeyer previa uma haste central que era envolvida por uma espiral em seu entorno. Suas formas foram a inspiração para a criação dos dois pares de brincos Monumento – feitos de ouro amarelo ou ouro branco com diamantes.

FLOR – A obra de Niemeyer não se restringe a projectos arquitetônicos. Inclui também desenhos despretensiosos – como a gravura em que uma mão anônima segura uma flor de quatro folhas. Uma única linha dá forma à imagem, que apesar de remeter a desenhos infantis devido à sua simplicidade, é extremamente subtil e poética! Este desenho originou uma linha de joias H.Stern que agora ganha anéis de ouro amarelo e ouro branco com diamantes, um pendente e dois pares de brincos – um em que a flor de ouro branco e diamantes se prende ao lóbulo, e o outro de ouro amarelo, em modelo pendurado. As joias representam a flor segundo a visão espontânea do arquitecto e desenhista de mão cheia. Os contornos vazados fazem referência ao apreço de Niemeyer pelas áreas não preenchidas, pelos vãos livres. “Arquitetura é vencer espaços… O espaço faz parte da arquitetura”.