Gentlemen’s Talks – Rui Elias

Rui Elias

Aproveitámos a oportunidade do Press Day da Global Press e, para além de puder ver as colecções de SS 2013, conversámos com o Partner – CEO da agência, Rui Elias, sobre a elegância masculina.

1 – O que faz um homem ser elegante?

Creio que é uma mistura de atitude, auto confiança, segurança e bom senso para saber o que nos fica bem ou é mais indicado para a nossa personalidade e maneira de estar; a elegância tem de ser natural, não pode ser forçada nem copiada. A elegância não se compra (as roupas sim, mas isso por si só não fazem um homem elegante), ou se tem ou não, embora possa ser apurada. Um homem elegante tem de saber estar, ser educado e ser atento aos outros. Não há ninguém elegante apenas porque veste muito bem ou de acordo com as últimas tendências se a seguir está a cuspir para o chão, a dizer palavrões ou não tem sensibilidade para entender os que o rodeiam. Há alguns homens que vestem bem, elegantes, infelizmente, creio que poucos. Julgo que a maior parte das pessoas confunde beleza com elegância.

2 – Quais sao as peças imprescindíveis no guarda-roupa masculino?

Básicos que possam ser (re)utilizados e conjugados em diferentes momentos; peças intemporais. Fatos de bom corte, sapatos confortáveis, camisas brancas e alguns clássicos para momentos especiais (smoking, casaca…)

3-Tem role models no que toca à elegância masculina? Quem?

Não tenho.

4 – A elegância é um exercício? Pode haver uma cultura para a elegância?

É um exercício no sentido em que pode ser educada e alterada ao longo dos tempos. Não acredito numa “cultura para a elegância” no sentido de promover e influenciar determinados comportamentos, de influenciar a noção de elegância das pessoas; acho que isso retira a naturalidade do sentido de elegância, espartilha-o e condiciona-o. A elegância é uma noção natural e bastante pessoal; duas pessoas diferentes podem estar e ser elegantes de formas bastante diferentes, mesmo que desenquadradas daquilo a que chamam tendências.