Uma fuga para uma realidade hiperbarroca

Uma fuga para uma realidade hiperbarroca, foi como o autor descreveu a sua peça. E, podemos observar a Escultura de Miguel Rodrigues, original, explosiva e luminosa, que volta a estar em exibição em Lisboa com uma nova série de obras  a que o artista chamou “LA FUITE // A Fuga”, numa alegoria a um caminho de fuga para a ilusão.

Inspirado no também explosivo tempo em que a estética barroca imperava, enquadrado no Palácio das Galveias, uma magnífica casa de família nobre portuguesa com matriz do século XVII, Miguel Rodrigues volta a surpreender pela singularidade da sua obra.

“Os Arcos barrocos, efémeros, celebravam os sonhos e as esperanças de uma comunidade. Dourados festejam o desejo de diversão, de realizar o imediato, a liberdade do óbvio. Os Arcos que criam um caminho de fuga para essa festa, para referências que nos confortam, intrinsecamente reconhecidas. Uma fuga para uma realidade hiper-barroca”, refere o artista, a propósito dos 3 arcos de sua autoria que estão em exposição até ao próximo dia 19 de Maio.

Com o apoio da Junta de Freguesia das Avenidas Novas.

Biblioteca Palácio Galveias, Campo Pequeno, Lisboa

Segunda-feira a sábado das 10 às 19h

Apesar de hoje em dia, a sua localização ser central em Lisboa, quando foi construído, em meados do século XVII, destinou-se a casa de campo dos Marqueses de Távora, permanecendo na família até 1759, data em que confiscado pelo Estado no âmbito do célebre processo dos Távoras.

Em 1801 foi adquirido por D. João de Almeida de Melo e Castro, 5.º Conde das Galveias, recebendo na altura obras de restauro. Uns anos mais tarde foi comprado por Braz Simão.

Em 1928 entrou na posse da Câmara Municipal de Lisboa, entidade que aí veio a instalar a biblioteca municipal que ainda aí se encontra.

A Biblioteca Palácio Galveias encerrou, temporariamente, a partir do dia 2 de março de 2015 para obras de requalificação e ampliação da biblioteca para os pisos superiores.

Esta requalificação permitiu o aumento da área útil da biblioteca, de cerca de 1.336,05 m2 para 2.040,10 m2, assim como transformar a Biblioteca Palácio Galveias numa biblioteca do século XXI, contemplando novas valências e espaços atraentes, acolhedores e estimulantes para toda a comunidade.

O tempo previsto para o encerramento era de 18 meses, pelo que se previa a reabertura em setembro de 2016.

A maior biblioteca municipal reabriu portas em 10 de junho de 2017 depois de mais de dois anos fechada, com mais serviços para a comunidade.

Com mais 220 lugares sentados, mais 700 m2, salas de estudo com horário alargado, um espaço para crianças, salas polivalentes e de trabalho, com acesso livre à internet e um espaço lounge, depois de um investimento de 2,5 milhões de euros.