Novidades vinícolas

A Fundação Eugénio de Almeida decidiu em 2016 mudar a imagem de um dos activos mais importantes do seu projecto vitivinícola, o EA. A FEA entendeu criar uma nova imagem para o EA, sem perder o foco daquilo que são os elementos da marca – as iniciais do fundador desta organização: Eugénio de Almeida.

Por isso, entendeu escolher atribuir uma nova imagem cromática ao EA. Procura-se com este rebrand da marca dar-lhe mais notoriedade, torna-la mais facilmente reconhecível, ao mesmo tempo que se procurava uma economia visual.

Fez-se uma interpretação depurada do rótulo, tornando-o, ao mesmo tempo, mais distintivo.

O objectivo desta mudança de imagem é atingir novos públicos sem trair os clientes e fiéis consumidores do EA. Queremos atrair públicos mais jovem que se deixem atrair e até seduzir por uma imagem mais moderna, mais arrojada. E esta imagem moderna que chega agora ao mercado

A família EA cresceu:

Os primeiros vinhos biológicos da Adega Cartuxa

Grande parte das Vinhas da Fundação Eugénio de Almeida são conduzidas em modo de produção biológica.

Para já apenas 60 hectares de vinha estão certificados. É destes terrenos, oito anos depois das primeiras vinhas ‘bio’, que saem as uvas dos dois vinhos biológicos que agora serão lançados no mercado. Em versão branco e tinto, vão ser comercializados sob a marca EA. Estes vinhos biológicos (branco e tinto) vêm assim completar a gama branco, rosé, tinto e tinto reserva do EA.

«Trata-se de o culminar de um investimento de oito anos da Fundação Eugénio de Almeida para produzir de uma forma mais amiga do ambiente», refere José Mateus Ginó, membro do conselho executivo da Fundação Eugénio de Almeida.

Vinho Biológicos

EA Biológico Branco

EA Biológico Tinto

Nova Adega 

Com um crescimento sustentável de 10% ao ano e a necessidade de aumentar a capacidade de recepção e transformação da uva, a FEA viu-se na necessidade de construir uma nova adega, que tal como a anterior, inaugurada em 2007, utiliza a mais moderna tecnologia com o menor impacto ambiental.

Depois de ter construído uma nova adega em 2007, a Fundação Eugénio de Almeida teve de investir numa nova estrutura, que iniciou a sua laboração na vindima de 2016. A nova adega vem duplicar a capacidade de produção de vinho da FEA. Em 2015 foram produzidas mais de 4,5 milhões de garrafas.